sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Ano novo, política velha!!! - Deputado flagrado com dinheiro na meia volta à presidência da Câmara Legislativa

Vídeo mostra Leonardo Prudente recebendo dinheiro em gabinete. Caberá a ele instalar CPI e analisar pedido de impeachment de Arruda.

Do G1, com informações do DFTV

O presidente da Câmara Legislativa do DF, deputado Leonardo Prudente, em entrevista no fim de novembro, na Câmara Legislativa (Foto: Marcello casal Jr./Agência Brasil)

A volta do deputado distrital Leonardo Prudente (sem partido, ex-DEM) à presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federal está publicada no Diário Oficial da Casa desta quarta-feira (30). Os trabalhos da Câmara, suspensos pelo recesso, devem ser retomados no dia 11 de janeiro. Prudente é aquele que aparece em um vídeo colocando dinheiro dentro da meia.

A partir de agora, será dele a iniciativa de instalar a CPI que vai investigar as denúncias e também comandar a indicação dos membros da comissão que vai analisar os pedidos de impeachment do governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM). Arruda é acusado de comandar um suposto esquema de distribuição de propina a aliados do governo.

Prudente estava licenciado da presidência da Casa. Ele e outros nove deputados suspeitos de terem recebido propina são alvos de processos de perda de mandato. Até terça-feira (29), a Câmara Legislativa era presidida de forma interina pelo deputado Cabo Patrício (PT), que faz oposição ao governador Arruda. A deputada distrital Erika Kokay (PT-DF) disse que o partido vai questionar a decisão de Prudente. Segundo ela, o deputado só poderia retornar à presidênca com o aval da Mesa Diretora da Câmara.

No auge da crise do chamado “Mensalão do DEM em Brasília”, no dia 30 de novembro, Leonardo Prudente disse que usou o dinheiro que recebeu do ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa como “ajuda financeira não contabilizada” para a campanha de 2006. Segundo o deputado, o dinheiro foi colocado nas meias e no terno por “uma questão de segurança”.

O escândalo que envolve o governador, parlamentares e empresários começou no dia 27 de novembro, quando a Polícia Federal deflagrou a operação Caixa de Pandora. No inquérito do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o governador Arruda é apontado como o comandante de um esquema de distribuição de propina a deputados distritais e aliados. Repasses de dinheiro foram registrados em vídeos e entregues à PF por Durval Barbosa, que denunciou o esquema.

Veja matéria completa no Portal G1

Postagens populares