domingo, 5 de setembro de 2010

Arenas-2014 valem 8 vezes os recursos anuais de habitação e o quádruplo de saneamento

RODRIGO MATTOS DE SÃO PAULO 

Quando a Copa-2010 se desenrolava, as chuvas destruíram 14.316 casas em Pernambuco. Quando o Mundial-2014 acontecer no Brasil, o governo do Estado terá assumido gastos para construir um estádio que seriam suficientes para recuperar todas as moradias, com sobras.

Financiada pela União, a renovação das casas atingidas na tragédia custa, em média, R$ 30 mil. A verba estadual para a Arena Capibaribe, que terá empréstimo federal, é de R$ 464 milhões, mais de 15 mil vezes o valor de uma moradia.

Essa prioridade ao Mundial é verificada em comparação feita pela Folha entre orçamentos de oito Estados e do Distrito Federal e seus projetos de arenas.Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Ceará e Rio Grande do Norte investirão R$ 4,831 bilhões em seus estádios.
Esse dinheiro representa oito vezes o que os nove governos gastaram com habitação em 2009 --R$ 589 milhões. Ou seja, se mantiverem esse nível de investimento, os governos estaduais usarão para construir casas à população até 2014 a metade do dinheiro das arenas.

Há a necessidade de 5,8 milhões de habitações no Brasil, diz o governo federal.

O total de dinheiro estadual investido nessas nove arenas é ainda igual a quase quatro vezes o investimento em saneamento básico em 2009 --R$ 1,269 bilhão.

Mantida a média de gastos, os nove governos terão utilizado no Mundial valor próximo a todo o dinheiro destinado às redes de esgotos e água até 2014.

Um quarto das famílias brasileiras ainda não tem acesso ao saneamento básico, segundo dados federais.

Os recursos das arenas públicas brasileiras também se equipara a quatro vezes o investimento em gestão ambiental desses Estados em 2009 --R$ 1,170 bilhão.

Ou seja, até o Mundial-14, os nove governos devem gastar o mesmo valor com estádios e para preservar e recuperar o meio ambiente.

Estudo da Academia Nacional de Ciência dos EUA apontou o Brasil como líder de desmatamento na primeira metade desta década.

As sedes dos jogos da Copa custarão o mesmo que 13 anos de investimento dos nove Estados em esporte e lazer --instalações esportivas para a população-- em 2009.

Nos Jogos de Pequim-2008, o Brasil foi o 23º no quadro de medalhas e conquistou três ouros. Posicionou-se atrás de países como Etiópia, Belarus e Ucrânia.

Os números dos orçamentos estaduais são do Tesouro Nacional. Alguns Estados alegam que certos dados não incluem todos os seus gastos em determinado setor, pois excluem, por exemplo, as folhas de pagamentos.

Mas é fato que as informações mostram um retrato do investimento em cada área.

Assim como é uma demonstração da prioridade dada à Copa o fato de todos os empréstimos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para obras de estádios terem o status de especial, sem enfrentar fila.

Ao mesmo tempo, só 66 casas foram entregues aos desabrigados em Pernambuco. Outros desalojados esperam e recebem R$ 150 por mês para pagar aluguel.

Colaborou FÁBIO GUIBU, da Agência Folha em Recife 

Postagens populares