quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Vereador eleva gasto. Já a produtividade...

Eles fecham 2009 com despesa de R$ 7,5 mi, 76% do teto. No ‘top 10’, cinco têm só uma lei sancionada

Fabio Leite e Plínio Teodoro

Os 55 vereadores da capital gastaram R$ 7,5 milhões da verba de gabinete em 2009, segundo balancete que foi publicado ontem pela Câmara Municipal. O valor representa 76,5% do total de dinheiro público disponível por ano para custear despesas de mandato: R$ 9,8 milhões. Dos 20 parlamentares que mais gastaram no primeiro ano da atual legislatura, 12 devem disputar eleição a deputado federal ou estadual em outubro.

O gabinete campeão em gastos foi o do vereador Eliseu Gabriel (PSB), com R$ 178,29 mil, apenas R$ 21,94 a menos que o máximo disponível no ano para subsidiar a atividade parlamentar: R$ 178,31 mil. Ele não deve se candidatar. Em segundo lugar aparece Agnaldo Timóteo (PR), com R$ 178,14 mil, seguido por Paulo Frange (PTB) - R$ 177,8 mil. O cantor é candidato declarado à Câmara dos Deputados e o petebista está cotado para concorrer a vaga na Assembleia Legislativa.

Também gastaram acima de R$ 170 mil em 2009 Marcelo Aguiar (PSC), Alfredinho (PT), Noemi Nonato (PSB) e os tucanos Floriano Pesaro, Carlos Alberto Bezerra Jr. - líder do partido na Câmara -, Souza Santos e Gilson Barreto. Na média, as despesas com combustível, material gráfico, telefone, correios e consultoria, entre outros itens, ficaram em R$ 136,4 mil.

Comparado com 2008, o gasto proporcional também subiu. Naquele ano, os vereadores gastaram R$ 6,8 milhões dos R$ 9,2 milhões disponíveis, ou 74,2%. Em valores brutos, as despesas subiram 10,2% no período, enquanto que o valor máximo disponível para bancar a atividade parlamentar subiu 6,5%, de R$ 167,4 mil para R$ 178,3 mil anuais.

Em dezembro, os 55 parlamentares gastaram R$ 1,23 milhão, ante R$ 746,6 mil em novembro, aumento de 65,6%.

Produtividade

Os gastos de gabinete, contudo, não se traduzem em eficiência. Das 217 leis sancionadas pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) em 2009, 159 são proposições de vereadores. A maioria delas - 107 - se refere à mudança em nomes de ruas e praças ou cria datas comemorativas. Entre os 10 vereadores que mais gastaram, cincos tiveram apenas um projeto que virou lei. O líder tucano, Carlos Alberto Bezerra Jr., só viu sancionados projetos que colocam nomes de O Bom Samaritano e Reverendo João Yasoji em praças da cidade.

Eliseu Gabriel teve sete proposições sancionadas. Três delas alteram nomes de ruas, duas instituem datas comemorativas, uma altera artigo de lei já existente e outra cria a bandeira oficial do Itaim Bibi. “Já é difícil aprovar leis e muitas são vetadas”, afirmou ele.

Transcrito na íntegra do JORNAL DA TARDE

Postagens populares