domingo, 22 de agosto de 2010

Grandes obras de combate a enchentes patinam em SP

EDUARDO GERAQUE
JOSÉ BENEDITO DA SILVA
DE SÃO PAULO

A execução de grandes obras para minimizar o impacto das enchentes na capital e na zona metropolitana de São Paulo avançou quase nada desde o último verão, quando temporais mataram 12 pessoas e fizeram o rio Tietê transbordar duas vezes. A reportagem está disponível para assinantes da Folha e do UOL.

Na capital, nenhum dos piscinões planejados pela prefeitura sairá do papel até o próximo verão, que começa no dia 21 de dezembro. Quatro reservatórios na região central --dois na praça 14 Bis e dois na praça da Bandeira-- tiveram a licitação suspensa pela prefeitura em maio, por tempo indefinido.

Outro piscinão, o da Pompeia (zona oeste), que estava incluído na Operação Urbana Água Branca, vai depender da conclusão de estudo contratado pela prefeitura e não ficará pronto este ano. O piscinão com obras mais avançadas, o do córrego dos Machados (São Mateus), ficará pronto apenas em 2011.

Somados todos os piscinões estaduais em funcionamento hoje, eles seguram 27% do volume de água considerado ideal para que a região metropolitana não submerja mais. As 27 obras consumiram R$ 252 milhões em praticamente dez anos.

Da FOLHA.COM 

Postagens populares