segunda-feira, 20 de junho de 2011

Pelo Corinthians, Kassab abre o cofre

Prefeito bate recorde de liberação de emendas a vereadores para garantir aprovação de isenção de R$ 420 mi ao clube
Diego Zanchetta - O Estado de S.Paulo
Os vereadores paulistanos ganharam um impulso para votar o pacote que concede isenção fiscal de até R$ 420 milhões ao Corinthians: em um único decreto, o prefeito Gilberto Kassab (sem partido) liberou R$ 50 milhões em emendas aos parlamentares.
Divulgação
Divulgação
Terrão. Na obra, Andrés fala com engenheiro
As emendas liberam dinheiro da Prefeitura para obras requisitadas por vereadores em seus redutos eleitorais. Kassab liberou no decreto 52.409, de 14 de junho, verbas até para quem faz oposição ao seu governo - Senival Moura (PT), por exemplo, líder de perueiros na zona leste, recebeu R$ 200 mil para a instalação de grama sintética em campos do Itaim Paulista.
É consenso entre as lideranças da Casa que a liberação teve o objetivo de acelerar a votação do pacote para a construção do estádio de abertura da Copa do Mundo de 2014 em Itaquera. Se não for votado por duas vezes em plenário até o dia 28, a proposta que livra o clube paulista de pagar ISS e IPTU no decorrer da obra só voltará a ser discutida pela Casa no segundo semestre, após o recesso de julho.
O volume de emendas que o prefeito liberou em um único dia é quase o dobro dos R$ 27 milhões em emendas liberados entre janeiro e o dia 13 de junho. Foi também o volume recorde de verbas para obras indicadas por vereadores liberadas de uma única vez por Kassab em seus cinco anos de governo - a maior tinha sido em novembro de 2008, de R$ 32 milhões.
A liberação deve arrefecer a oposição que até alguns governistas vinham fazendo ao projeto que beneficia o Corinthians.
O líder do PSDB, Floriano Pesaro, e o ex-diretor do São Paulo, Marco Aurélio Cunha (sem partido), por exemplo, são da base governista, mas adiantaram voto contrário à proposta. "O prefeito está igual a um trator por causa do projeto do Corinthians. Eu vou votar contra de qualquer jeito. Sou corintiano, mas acho injusta uma isenção desse porte para um único clube", argumentou Adilson Amadeu (PTB).
A assessoria do prefeito informou que "a liberação das emendas agora segue o cronograma de execução fiscal do orçamento e não tem relação com qualquer votação no Legislativo".
Prioridade. O Executivo também solicitou que a proposta do Corinthians seja votada em regime de urgência até quarta-feira, na frente de outros projetos do governo, como o que permite a concessão do mobiliário urbano para a iniciativa privada e o que altera o traçado do túnel entre a Imigrantes e o Brooklin. 

Postagens populares